Bem-vindo ao nosso terceiro Café da Manhã!

O primeiro sutiã a gente nunca esquece”, era o que dizia a campanha publicitária, criada por Washington Olivetto para a marca Valisere, em 1987. A primeira vez na sala de aula também é inesquecível, assim como a segunda, a terceira, a quarta, pois quando se entra em sala, o professor se depara com inúmeros universos distintos e ansiosos por uma palavra, um afago, uma luz.

Em 1997, ainda calouro do curso de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), iniciei as minhas atividades como docente, na Escola Básica Jornalista Jairo Callado, em Florianópolis. Nos dois anos em que trabalhei nessa escola, lecionei língua portuguesa para turmas da 5ª e 7ª série do Ensino Fundamental. Desde o primeiro dia, a minha busca já era transformar os alunos em indivíduos que se utilizam da sua própria língua para o autodesenvolvimento e para mudança do meio no qual estão inseridos.

E assim se deu, criei um jornal escolar, com edições trimestrais, e formatei em dois anos um grêmio estudantil, o qual ganhou campanhas eleitorais, com direito a estatuto, propostas e discursos. Com algo palpável, os alunos perceberam que o domínio da língua materna poderia servir-lhes na construção dos argumentos no processo eleitoral e na qualificação de seus textos publicados no jornal, que era distribuído não só na escola, mas também na comunidade.

A língua portuguesa, enquanto organismo vivo, converteu-se em protagonista na trajetória evolutiva de cada aluno. Era a escrita a libertar indivíduos, incentivando-os a querer sempre mais e transformando-os em seres autônomos e conscientes de seus direitos e deveres como cidadãos.

Um exemplo de que essas ações geraram frutos foi uma mensagem que recebi, em 2014, de um ex-aluno, isto é, 17 anos após a criação do jornal:

mensagem-blog

Enfim, a minha primeira palavra contribuiu para que cada aluno trouxesse à tona a sua primeira palavra.

Olivetto estava certo: a primeira palavra a gente nunca esquece.

Mais um gole de Café, e até amanhã!

Prazer, Pablo.

Showing 4 comments
  • Mauricenes
    Responder

    A primeira palavra… primeiro olhar…E também o dentinho de leite caindo e abrindo uma janelinha para o céu da boca…Ah!Amo tudo isso!

    Gratidão por lindas e intensas lembranças.

    Abraços!
    Mauri

    • Pablo Pereira
      Responder

      Mauri, sei que vivencias tudo isso no teu cotidiano e que tens plena consciência da tua importância na vida de inúmeros alunos. Beijos!

  • Tharen
    Responder

    Parabéns! Muitas vezes, marcamos os alunos e não sabemos. Um abraço.

    • Pablo Pereira
      Responder

      Isso, prof. Tharen. Muitas vezes, não nos damos conta da importâncias de nossos atos e palavras em sala de aula. Pelo que já percebi em tuas atitudes, tens consciência do processo. Fico muito feliz em ver a tua paixão por ensinar. Um abraço.

Deixar um comentário