Bem-vindo ao nosso 21º Café da Manhã!

Uma crônica de segunda na segunda-feira parece ser a única opção. Os temas interessantes estão por aí, bem longe deste texto. A escrita já vai se arrastando antes mesmo de terminar o primeiro parágrafo. Amanheci textual e fui perdendo as palavras na caminhada pelo calçadão. Nem o banho gelado que veio depois foi capaz de despertar ideias inovadoras para um texto de tirar o fôlego. Vejo-me aqui no metatexto, que maçada!

Ontem, não publiquei no blog. E o desafio de publicar diariamente dá indícios de que não será vencido. Talvez eu altere para um desafio um pouco mais despretensioso, algo semanal, por exemplo. Quem sabe um Café da Manhã apenas aos domingos ou às segundas-feiras. Seria um bom término ou início de semana. E assim, manteria a regularidade e me deixaria conduzir pela disciplina da escrita. Sim, meus amigos e minhas amigas, o ato de escrever necessita de disciplina. É a partir da construção textual diária que a fluidez ganha espaço, mesmo que o assunto seja o não-assunto, ou um metatexto como este.

Volto-me para os vários livros com marcadores de página pelo quarto; confesso que me atrai a leitura múltipla. No momento, “Internacionalização na Educação Superior: políticas, integração e mobilidade acadêmica”, “A Quarta Missão da Universidade: internacionalização universitária na sociedade do conhecimento”, “O símbolo perdido” e “O Jogo da Amarelinha” compõem o meu cenário múltiplo. Ah, e não posso me esquecer, é claro, dos inúmeros artigos científicos que surgem nas telas do notebook e do Ipad nos últimos dias: “A École Polytechnique de Paris: mitos, fontes e fatos”, “Napoléon organisateur de l’Université“, “Na Revolução Francesa, os princípios democráticos da escola pública, laica e gratuita: o relatório de Condorcet”.

E quando me dou conta, a crônica de segunda sai do metatexto e encontra no compartilhamento de leituras uma forma de inspirar outros a se encontrarem também nas leituras, seja lá quais forem. O importante é ler e se deixar transformar por ideias e perspectivas diferentes. Alimentar a alma por meio de viagens, meditação e leitura continua sendo a principal refeição daqueles que desejam se conhecer, conhecer o outro e o mundo onde habitam.

Mais um gole de Café, e até a próxima segunda-feira!

Prazer, Pablo.

Showing 4 comments
  • Jaciara
    Responder

    Oi!
    Tudo bem contigo?

    Confesso que é meu primeiro café da manhã por aqui embora eu lembre bem do dia em que li sobre o lançamento da página no face. Essa “falta de assunto” me agrada, perfeita para as férias quando que a gente se permite não ter assunto, poder voltar-se um pouco para os próprios desejos, de ler, de meditar, de viajar, de andar na praia, tomar banho de mar, fazer alongamentos, de escrever ( embora eu só tenha anotado idéias) de pensar “OK quais livros vou levar?” Tenho aqui alguns separados:
    Tempos muito Estranhos – Doris Kearns Goodwin, eu já havia iniciado a leitura mas tive que parar, vamos ver se eu me apaixono pela Eleanor Roosevelt, vamos ver se vou até o fim.
    They fuck you up – Oliver James, acho que já posso ler de “boas”, faz tempo que namoro esse, até agora o poema que abre o livro era suficiente – This Be The Verse de Philip Larkin. Heavy. To lendo agora The Ocean at the End of the Lane de Neil Gaiman que ganhei ontem do meu irmão. Li o primeiro capítulo pra ver “qualé” e estou indo, me pegou. Também separei Hija de La Fortuna de Isabel Allende, en Español, comecei a fazer espanhol com a Vivi, parei, voltei a fazer pelo Duolingo, parei, mas estou com planos de retomar com a Vivi e ir em frente até que vire rotina diária. Empreitada eterna aprender uma nova língua, precisa dar a ela um lugar em nossas vidas, assim como o gato, a dança, o trabalho, a família, as plantinhas, o café da manhã, as viagens, a meditação, etc. Também estou com um livro nerd com tanta referência dos anos 80, videoclips, músicas, jogos que as vezes eu não sei se vou ou se paro pra pesquisar tudo, mas o negócio é ir e, de vez enquando, jogar coisas no Google. Mastering the Craft of Writing do Stephen Wilbers, é um curso de um ano, com lições semanais, mas o autor sugeriu que eu lesse o livro todo primeiro antes de praticar. Quero ler O Contato do Carl Sagan, já vi o filme e gostei. Por fim tem o Fresh Air Friend do Paul Theroux, sobre viagens, embora eu me encante mais com experiências próprias. Quero começar a escrever para o Travelicious e acho que uma boa referência textual pode me ajudar, afinal bons textos nos inspiram a escrever. Por isso comentei. 😀

    Grande abraço e até mais!

    • Pablo Pereira
      Responder

      My turn to say: “bons textos nos inspiram a escrever”. Thanks for sharing, Jaciara! A big hug and see you soon!

  • Evandro
    Responder

    Boa leitura de segunda! 👏👏👏

    • Pablo Pereira
      Responder

      Obrigado, Evandro! Um forte abraço.

Deixar um comentário