Bem-vindo ao nosso 26º Café da Manhã!

“A Universalidade das Universidades Públicas Federais: estudo sobre os processos de internacionalização na e da educação superior brasileira”, eis o título desenvolvido para dar início ao meu quarto passo na jornada do Mestrado em Educação, na Universidade Regional de Blumenau (FURB). [Conheça os primeiros passos aqui].

Este novo ciclo, assumidamente cosmopolita, lançou-me ao interior de um fenômeno até então pouco conhecido por mim, no mesmo momento em que uma das tantas lacunas do sistema educacional se mostrava exposta: o período de três meses, sem atividades regulares, entre o resultado do processo seletivo do Mestrado e o início do ano letivo. É nesta lacuna que a ansiedade e o sentimento de estar perdido ganham força, algo semelhante ao que ocorre em outros fossos do sistema, como é o caso da lacuna entre o Ensino Médio e o Ensino Superior.

Neste ponto, os sinais se fizeram presentes outra vez em minha jornada. Os mesmos sinais os quais me mostraram o quanto eu estava sendo conduzido a um acolhimento inspirador e a uma frutífera orientação. E assim, encontrei-me, ao me deparar com uma resposta da professora Marcia Regina Selpa Heinzle  a um e-mail enviado por mim: “Brilhante suas ideias. E este é o caminho, Pablo: leitura, reflexões e escrita”. Era um lufar de inúmeras possibilidades a me abraçar, era a jornada a florescer.

A lacuna começava a ser preenchida; e a resenha de um livro, lapidada. Àquela altura, já havia viajado à Revolução Francesa, conhecido Condorcet e suas ideias sobre Instrução Pública, e estava completamente envolvido com “A quarta missão da Universidade: internacionalização universitária na sociedade do conhecimento”, dos professores Fernando Seabra Santos e Naomar de Almeida Filho, e com as 63 Universidades Públicas Federais do Brasil. O fenômeno se desenhava ainda mais complexo à minha frente, mantendo-me longe da zona de conforto.

E então, em meio a problematizações, surge o poder da empatia. Participo da minha primeira reunião com o Grupo de Pesquisas e Estudos em Educação Superior – GEPES/FURB. Que experiência formidável! Como é revigorante desenvolver a capacidade de se identificar com o outro, de sentir o que ele sente, de ter objetivos semelhantes, de apreender o mundo em sintonia com várias pessoas no mesmo espaço-tempo.

Por fim, a ideia da universalidade de um espaço integrado do conhecimento, que se imagina local e global, tornava-se clara depois de mais um passo dado. E que venha muito mais, a jornada só está começando, e o espelho reflete o brilho dos meus olhos.

Pablo Pereira - GEPES.FURB

Da esq. para dir.: Eu, Gabriela, Lucilane, Prof. Marcia, Eliane, Vanessa, Mariana, Ricardo, Andrea e Valdete. (GEPES/FURB, 26/01/2017)

Mais um gole de Café, e até a próxima segunda-feira.

Prazer, Pablo.

Deixar um comentário